Eis que quando a tristeza e a solidão me abatem

e a lágrima vem à face,

começo a olhar ao meu redor e encontro-te sempre a saudar-me...

Em cores e tamanhos diversos na melodia que me devolve o vigor...

Vós sois os pássaros!

Eis que ao teu redor vejo-te a sorrir para mim

Lançando-me fragrância rara, tuas companheiras...

 

Que em diversos tons e formas; pequenas ou grandes se colocam,

Provindas da magia, do chão, muitas das vezes semeados por vocês...

Entre o bailar de vossos cantos entrego meus olhos e que, por instantes,

parecem eternos. Esqueço-me das dores

provocada por seres que se dizem acima de vós...

 

Nesta magia de encontro entre mim e vocês

lá esta o senhor Sol a saudar o dia que se faz presente;

em sua força se impõe como astro-rei que convida-me ao trabalho.

Inicia-se, então, mais um dia,

Em que poderei encontrar-me com a alegria ou a dor...

Horas incertas... poderei ser amado ou desprezado,

saudado ou invejado...

 

lá vou eu, agora a escrever mais uma página de minha passagem

por este lugar chamado terra...

Com a incerteza do que advir, de tudo só uma coisa é certa...

No novo dia, certamente vocês em minha sacada estarão a minha espera,

Para devolver-me o vigor que as dores tentaram me tomar...

 

Eis vocês!...

Partículas de amor, pedacinhos de um senhor generoso,

doce, amigo, fiel, companheiro, o grande Pai e criador do universo! Obrigado queridas partículas

por estarem sempre por perto quando a lágrima desce...

 

Paulo Nunes Junior

SP Brasil

22/11/2006

 

 

 

 

Indique este Site!

 

voltar