.

 

 

Trincheiras da Vida

Auber Fioravante Junior

 

 

- Não sei dizer onde estou

Ou porque estou aqui...

Claro que uso sua escrita simples

Para aplicar meus conceitos.

 

- Não se culpe de nada

Apenas aproveite o momento e seja feliz... 

Não consigo mais me esconder

Em trincheiras de concreto

Minha carta esta sendo escrita

Em castelos escoceses livres

Prontas para pecarem em

Qualquer ala que desfilarem... 

Pelas ruas não encontro cascalhos

Para decorar meu aquário de ilusões...

 

Não entendo onde estava

Quando perdi o rumo em

sentidos implícitos esquecendo

que entre paredes e flores existia

Uma vida a ser vivida e amada...

 

Não oculto minhas questões,

O que fazia enquanto eu

Amava a fruta que seria

de um quase terceiro,

bastava um sim para

as gêmeas se encontrarem...

 

Nas avenidas não encontro

Gás para o meu isqueiro de sonhos...

 

Minha musa está há dias luz de mim

Porque tenho que passar por quinzenas

Adormecidas para descobrir a felicidade?

 

Que sabor de mata verde é este

Que entranha em minha poesia.? 

 

Mostre-me onde esta meu pecado

Quero pedir perdão junto ao pão

dos meus dias...

 

Mostre-me onde está meu pecado

Quero pedir perdão junto ao vinho

das minhas noites...

 

Mostre-me o caminho

Não hesitarei em buscá-lo

Seja ele de pedra

Seja ele de brisa....

 

Onde quer me levar com este

Encontro praticamente diário?

 

- Não posso dizer

Seu momento está apenas começando continue

Jogando seus dados mas com prudência...

 

Auber Fioravante Junior

19/02/2006

Porto Alegre - RS

 

 

 

Dei-me tuas mãos!...

Paulo Nunes Junior

 

Pelos caminhos

do desconhecido te encontrei 

teus versos saudei,

encontrei um amigo valente,

disposto a mostrar seu valor.

Estamos nos dois

neste canteiro de paixões...

 

Onde nos deparamos

com a alegria e com a tristeza,

alegria...

ao ver nossos versos tocar

o coração dos apaixonados e puros,

tristeza...

pela inveja que por vezes nos persegue.

 

Mas...vem comigo amigo,

vamos transformar

cada muralha de pedra,

cada trincheira...

Colocando acima dela uma flor.

A flor da poesia,

o encanto do amor...

 

Façamos de nossas deusas, estas...

que sofrem ou sofreram por amor,

e do mal; caminho de aprendizado. 

Vem guerreiro menino!...

Vamos continuar nossa missão

afinal somos nós

os soldados do amor!...

 

Paulo Nunes Junior

02/05/2006

 

 

 

Indique este Site!

Voltar