Ser só!
Tania Lemke


    Sinto-me refletida no brilho da mansidão do mar, qual galho seco, envolto em brumas translúcidas.
    Nada lamento, pois tudo agora compreendo ao flutuar sobre a imensidão plana do oceano qual andorinha invisível, qual ave solitária.
    Ser só.
    Neste momento ser só não aterroriza.
    Não vivo de lamentos, nem entrego-me aos piratas.
    Estar só faz parte de meu crescimento e da procura de minh'alma pela paz.
    No interlúdio de minha mente com o infinito aspiro o ar puro dos inocentes e sorvo do etéreo a força Divina.
    Qual seria minha ingratidão com o Universo se vivesse a lamentar-me dos entraves corrosivos...
    Meu vôo pausado em direção ao sol poente faz de mim um ser coerente com minha fé e meu  amor Universal!
    Sigo com coragem rumo ao desconhecido,  certa de encontrar as respostas senão aqui, em outra dimensão qualquer.
    Não me apresso mais, nem medo sinto pois quem tem a chance de observar o ocaso é abençoado pela paz dos bons e justos com a certeza imediata de que ser só faz parte da grandiosa Mente Viva, Deus!
Texto: ®Tania Lemke


Agora somos um só...
 

Sob o manto que reluz nos oceanos nossas luzes se encontram.
Transformo-me em pássaro companheiro de teus ideais e sonhos.
Contigo começo a longa revoada, agora não és mais solitária.
Quero ser teu outro lado;
Somar-me a tua alma transformando-se em uma só.
Comigo nada mais te aterrorizará,
teus lamentos serão jogados no grande riacho do esquecimento,
os piratas a teu redor espantados serão pela luz de nosso amor.
 
Ficaremos os dois a crescer
por nossos atos emanados pelo coração de apaixonados
que se fará em paz marcante.
Anjos se fazem presentes em nosso caminho com eles encontramos a melodia da felicidade.
Agora fazemos do universo nosso campo de confidências entre estrelas, mares, flores, nuvens, desenhamos nosso amor.
 
Voamos desde o sol-poente e ao nascer do astro rei, em novo dia.
Que divide conosco o calor de nossas almas.
De mãos dadas seguimos rumo ao desconhecido, já conhecendo as nossas respostas.
Não existe mais pressa, o medo deu lugar à segurança.
Do alto de nosso templo de amor ficamos a ver o acaso,
dividindo com os bons e os justos a semente da paz.
A certeza que, de ora em diante, faremos exemplo a todos,
Afim, de que possam em clamor saudar quem nos proporcionou tudo isto, Deus!

 
Paulo Nunes Junior
SP/Brasil
30/07/2006

 

Indique este Site!

Voltar