Medicação preventiva

 

 

 

A moda, em matéria de saúde, é se falar em medicina preventiva. As pessoas programam seus check-ups anuais, se submetem a baterias de exames e buscam uma alimentação balanceada.

 

Exercícios físicos, repouso, férias e lazer complementam o quadro.

 

Contudo, mesmo cuidando do corpo o homem prossegue doente. Isto porque está cuidando da roupagem, da casca, e tem se esquecido da parte que dá saúde e disposição ao corpo: a alma.

 

Por isso, vamos dividir com você algumas anotações que achamos muito interessantes. Elas dizem o seguinte:

 

Sintomas: taquicardia, vertigens, insônia, tremores pelo corpo todo.

 

Causas: rancor profundo, intolerância para com as atitudes alheias e dificuldade de relacionamento com as pessoas.

 

Conseqüências: grande desarranjo emocional, sistema nervoso abalado, rugas precoces. Se não medicado a tempo, pode levar o indivíduo à loucura. A pessoa se torna insuportável, juiz de todas as atitudes alheias e insaciável, provocando muito sofrimento aos que com ela convivem.

 

Medicamento indicado: perdão, que tem como composição química tolerância, compreensão, renúncia, paciência e sensibilidade.

 

Apresentação do medicamento: está em estado latente no íntimo de todo ser humano, e pode ser buscado através do raciocínio lógico de quem não gosta de sofrer.

 

O medicamento deve ser tomado de minuto a minuto. Logo provoca tranqüilidade física e mental, proporcionando um bem estar geral.

 

Como todo medicamento tem contra indicações. No caso, não é indicado para pacientes que gostam de sofrer e sentem prazer em carregar um pesado fardo nas costas, chamado rancor.

 

Como terapia complementar se recomenda, nas crises agudas, respirar profundamente durante alguns minutos e procurar a natureza para meditação.

 

Buscar, através da prece, a ajuda divina.

 

Importante usar o medicamento para si próprio. Se tentar curar somente as outras pessoas, o doente continuará doente.

 

Precaução especial: o medicamento deve ser deixado ao alcance das crianças.

 

***

 

A pedra bruta perdoa as mãos que a ferem, transformando-se em peça de arte valiosa.

 

O grão de trigo esmagado perdoa o agricultor que o atira ao solo, multiplicando-se em muitos grãos que enriquecem a mesa.

 

O ferro se deixa dobrar sob altas temperaturas e perdoa os que o modelam, construindo segurança e conforto.

 

Perdoar é impositivo para cada hora e todo instante.

 

Para todos os que nos ferem e magoam, usemos o perdão como medicamento valioso, lembrando que o perdão é sempre mais útil a quem o concede.

 

 

 

 

 

Autor:

(Automedicação preventiva - texto de Rubens R. Pereira, publicado no GEAE)

 
 
 
 
 

Indique este Site!

voltar